9.1.13

EasyBombing


Na sexta-feira, 28 de Dezembro de 2012, [muito] de manhã voei para o estrangeiro com a EasyJet. Quando entrei no avião desliguei o telemóvel, segundo as regras. E dormi toda a viagem, segundo a minha vontade! À chegada, duzentos metros após sair do avião, apercebi-me que não tinha o telemóvel comigo – entre o desligá-lo e o adormecer devo tê-lo deixado no/entre o(s) banco(s). Por mero acaso fomos as últimas pessoas a sair do avião, por isso não deveria haver problema em recuperá-lo.

Pensávamos nós!

Os funcionários locais não nos permitiram voltar ao avião [razões de segurança! Aceitável], mas só comunicariam com a tripulação após a entrada - no mesmo avião – dos novos passageiros!

A simpatia não reinava por ali, mas tentei explicar que seria mais difícil recuperar o telemóvel após o embarque dos novos passageiros, do que naquele momento, quando ainda ninguém tinha entrado no avião e nós tínhamos sido os últimos a sair!

Esforço inglório.

Nem mesmo pedindo-lhes que fossem directamente ao lugar 8A as pouco simpáticas funcionárias tomaram qualquer atitude! Mas havia um motivo para isso! É que depois de cada voo a tripulação é obrigada a vistoriar minuciosamente os lugares um-a-um! Se o meu telemóvel estava no lugar 8A – e eu sabia que estava – as funcionárias iriam encontrá-lo com toda a certeza, e entregar-mo!

Pois que… não o encontraram! Mesmo com a informação de que ele teria de estar no lugar 8A! 

Só pude concluir que os funcionários eram incompetentes e não tinham vistoriado assim tão minuciosamente os lugares, ou eram desonestos e tinham ficado com o meu telemóvel.

Mas reclamações eram no balcão da companhia, que o avião tinha de descolar de regresso a Portugal!

No balcão da companhia – EasyJet! – fui atendida pela pessoa mais mal educada e mais arrogante de todo o sempre [merece um prémio! Não deve ser fácil! Não estou a brincar!]. Disse-me [novamente!] que os funcionários faziam uma meticulosa inspecção aos lugares, que se não tinham encontrado o telemóvel era porque talvez outro passageiro mo tivesse roubado, ou eu nem sequer o tivesse levado para bordo… [!...] Pedi o livro de reclamações e fui informada que as reclamações só podem ser feitas no site! 

Revirou os olhos, pôs-se a ler, ignorando-nos.

Liguei ao meu irmão pedindo que confirmasse, quando o voo chegasse, se o telemóvel tinha sido encontrado.

Não tinha!

Agora, se a hipótese correcta fosse a da incompetência dos funcionários, juntava-se a nova hipótese de os passageiros não serem honestos.

O meu irmão tratou das diligências para bloquear as comunicações e eu fiquei sem telemóvel no estrangeiro, onde ele me fez alguma falta… mas desliguei da situação e aproveitei os dias da melhor forma!

Na tarde seguinte fui contactada pelo poeta Miguel Barreto Henriques [a última pessoa com quem havia trocado mensagens], que havia sido contactado por um senhor francês, que encontrou o meu telemóvel no chão de um avião num voo entre Lisboa e Bordéus.  

Muito honesta e simpaticamente demonstrou o seu interesse em obter uma morada para me devolver o telemóvel o mais celeremente possível!

O telemóvel chegou hoje! 

Eventualmente a tripulação não terá feito uma análise assim tão minuciosa a todos os lugares durante as viagens que o avião fez até ser encontrado pelo passageiro!

Ainda bem que não era uma bomba!

5 comentários:

Agridoce disse...

É bom saber que ainda há pessoas boas neste Mundo!

Quanto aos senhores da Easyjet, e mesmo sabendo que não adianta nada, mereciam saber desta história, e do facto de que há passageiros que fazem melhor a revista do que os funcionários deles!

Ana 100 Sentidos disse...

Reclama mulher!
Vai ao site e reclama disto tudo.
Mudar o Mundo começa com o fazer a nossa parte e tentar que todos sejamos melhores. Pessoas, profissionais, amigos, etc.

franksy! disse...

Ainda há pessoas honestas!
Foi isso que me deixou mais feliz no meio disto tudo! Alguém que andou a ligar para os meus contactos e a gastar dinheiro em correio para me devolver o que me pertencia!

E que ainda por cima não aceitou qualquer tipo de 'recompensa'! Nem sequer que lhe pagasse os selos!


E pois está claro que reclamo, meninas!!! Já reclamei, ainda vou reclamar mais e não vou reclamar só à companhia, vou também apresentar queixa junto de entidades reguladoras.

mariasardinha disse...

WTF??? [olha eu a revirar os olhos] que história!! Nas e cada vez tenho mais razões pra isso! Dão muito jeito é certo os preços amigos. Mas acontecimentos destes são demasiado recorrentes...

franksy! disse...

Eu confesso que nunca tive problemas com companhias de aviação... Foi a primeira vez.

No meio disto tudo, o que me continua a moer mais é a estúpida da holandesa que foi super malcriada! De certeza que há pessoas decentes que podiam ter aquele emprego merecendo-o!

Enfim...

Espero conseguir chegar a ela!
[na queixa pus o dia e a hora em que 'interagimos' e deixei bem claro que quero apresentar uma queixa formal contra ela! Tal como quero saber o nome de uma outra empregada que foi muito simpática, ficou com o nosso número para o caso de encontrar o telemóvel e mesmo não o tendo encontrado ligou-nos!!! Também há que lhe dar louvor!]