5.9.09

ramos verdes

as árvores estão noivas

A senhora Rosa e o seu filho Luís tiveram de deixar, para sempre, a sua casinha de aldeia. Foi num dia destes de Primavera em que, no dizer da senhora Rosa, o tempo estava "macio como seda". Aliás, ela nunca dizia: "Está bom tempo" ou está "mau tempo", mas sim: "O tempo está a ser brandinho" quando, pela manhã, o Sol espreitava, tímido, entre as nuvens, ou: "O tempo desabafa", quando chovia a potes. E sempre que dizia "O tempo está macio como seda", isso significava que não havia calor a mais, a claridade da luz não feria os olhos e a aragem soprava leve como o fru-fru das sedas. E quando as árvores de fruto se cobriam abundantemente de flores brancas e rosas, ela avisava: "Estão noivas!" E depois, quando se vergavam sob o peso dos frutos ainda verdes, interrogava:
"Como é que estas pobres árvores vão aguentar com tanta filharada?"

Era assim a senhora Rosa, mãe de Luís.

Ilse Losa

carinhosamente roubado à lebre dos arrozais!

2 comentários:

lebredoarrozal disse...

ão bonito esse texto:)
sabes bem que podes roubar o que quiseres

franksy! brider in command disse...

tu só nos dás coisas bonitas!
e eu sei que posso roubar! :)*